MARIA, SINAL DE ESPERANÇA NO CAMINHO DA IGREJA

Ivone Goulart Lopes

Ivone Goulart Lopes 

A beleza da prática do cristianismo está no seguimento ao Mestre: Jesus Cristo. Maria e os santos são parâmetros miméticos, como modeladores da vida, levando o povo a experimentar uma relação religiosa mais rica e salvífica, numa maior abertura para Deus e o próximo. Compreender a verdadeira importância do papel de Maria na história salvífica exige do devoto, mais que o afeto e o cuidado, exige a clareza do olhar.

Maria é ‘figura da Igreja e modelo na fé e na caridade’ (LG 53), pois Deus, o Pai de Jesus Cristo, nosso Salvador, que em Maria nos deu a imagem da Igreja, manda o teu Espírito em ajuda da nossa fraqueza porque perseverando na fé crescemos no amor e caminhamos juntos até a meta da esperança.

A definição de Maria como figura da Igreja é de Santo Ambrósio, Maria, mãe de uma Igreja mãe, as quais vocações coincidem: “conceber em Espírito, e alegremente  trazer ao mundo novos filhos” (Santo Ambrósio +397).

Existem incontáveis traços interculturais e inter-religiosos em cerimonias dirigidas a Maria a mãe de Jesus e ícone da Igreja latino americana. Isto se constata em cada rincão do continente, com suas historias de identidade e de transcendência.

O povo Xavante, uma etnia brasileira que vive em Mato Grosso, – com os quais tive o prazer de conviver por quase quatro anos -,  é guerreiro, sonhador, amante da natureza, dos animais e profundamente religioso. Para este povo juvenil,  o mundo espiritual é muito presente no cotidiano, e os gestos devocionais são tratados com grande seriedade e respeito por todos. A vida para eles, tem um ritmo próprio, marcado pelas brincadeiras das crianças, pelos jogos dos adolescentes e jovens, pela andança dos adultos pela floresta, pelas danças, cânticos, rituais e pelo silêncio.

Nas aldeias, no mês de maio e de outubro, especialmente, todos se reuniram para prestar a sua homenagem, fazer suas preces a Maria. A fé na Mãe de Deus é expressa na oração fervorosa, nas pinturas festivas nos corpos, na recepção da imagem na aldeia durante a récita do terço, as danças, as homenagens, a procissão, os cantos. Em muitos momentos se vê a delicadeza dos xavante de colocar a gravata típica indígena na imagem, de trazer seus colares artesanais, em oferta a Nossa Senhora, a querida Auxiliadora.

Cito um canto mariano Xavante, de autoria de Frede Tsupto, que é conhecido em quase todas as aldeias do povo Xavante e faço uma tradução livre:

Maria, Maria, Maria hã wana hã (Maria … Maria nossa mãe).

Atsiwaprotsi pi’õ nhipai’wa. (Somente tu és a mulher  “escolhida” do Senhor).

Wana dö’otsina wadzawi mono. (Como nossa mãe, ame-nos)

Maria ido’o wamhã, ãma idzô aihoro, (Maria, assim que eu morrer, chama-me).

Ãma ateme iwitsi da. (Para eu estar contigo).

Hoimana’u’o nhibidzari wê. Wei wama ‘re anhomri mono. (Que a bondade de Deus seja dada para nós).

 

Este canto nos mostra todo o amor e carinho deste povo para com Maria, a mãe amorosa, a escolhida do Senhor. É um povo cheio de esperança “Maria, assim que eu morrer, chama-me”!

Ser marianos na devoção e na vida significa ser, na comunhão e na missão, membros que são expressão da Igreja, pequenos ícones que refletem o grande ícone que é Maria.

Que a exuberância da natureza e da mãe terra nos ajude a amar as coisas simples e principalmente o ser humano como imagem e semelhança de Deus. O nosso respeito, o nosso carinho e estima por esse povo tão cativante. Que São João Bosco, pai e mestre, abençoe a todos os missionários e missionárias que não medem esforços para difundir o Reino de Deus e o amor a Maria, nossa querida mãe Auxiliadora, em cada recanto deste amado

Potrebbe piacerti anche ...
A devoção marial no Brasil contemporâneo: olhar panorâmico

A devoção marial no Brasil contemporâneo: olhar panorâmico

Por Afonso Murad, marista, é doutor em Teologia. Professor na Faje (Faculdade Jesuíta), e no Ista (Instituto Santo Tomás de Aquino) em Belo Horizonte. Autor de várias obras, entre as quais: Maria, toda de Deus e tão humana – Compêndio de Mariologia (Paulinas/Santuário); O que Maria tem a dizer às mães de hoje? (Paulus); Gestão e espiritualidade (Paulinas). E-mail: murad4@marista.edu.br; blog: maenossa.blogpot.com